O Público justifica os escandalosos preços dos combustíveis com o facto de que “O preço do petróleo atingiu esta segunda-feira o valor mais alto dos últimos dois anos, com o barril de referência na Europa para entrega em Fevereiro a fechar nos 95,90 dólares“.

Mais adiante recuam um pouco mais e já dizem que “Desde Outubro de 2008 que o preço do crude não era negociado a um valor tão elevado no mercado de Brent, onde chegou mesmo a tocar nos 96,07 dólares por barril, o valor mais alto dos últimos 27 meses.

Ora, caros senhores do Público, isto é simplesmente ajuda à especulação e à subida INJUSTIFICADA dos preços dos combustíveis. Se tivessem recuado mais três ou quatro meses veriam que, em Junho/Julho de 2008 os preços tinham andado acima dos 140 dólares, ou seja, cerca de 50% mais do que os actuais preços. Por outro lado, os preços da gasolina e do gasóleo atingiram, nessa altura, os máximos que estão agora novamente a atingir, e que já na altura eram exagerados.

Conclui-se, portanto, que não há motivo algum para a roubalheira de que somos alvo sempre que nos dirigimos a um posto de abastecimento de combustível.

Anúncios